O TEMPO...A NOITE

 

PEDRO OZÓRIO

 

 

Depois do regresso, encarcerado, preso aos grilhões

Vivi conflitos eternos entre a realidade cruel

e o imaginário que se perde na noite do tempo.

 

Lutei, desejei, procurei mas tudo em vão.

Nem tudo é possivel dentro desta prisão.

Assim, entre sonhos imaginários e a realidade cruel

O tempo descansa de novo na noite

uma noite de amargura e de aprendizado também.

 

Haverá um novo tempo, talvez nova prisão

mas também nova oportunidade de liberdade.

assim...quem sabe eu te encontre?

 

Poderei então revelar os segredos.

E entre o real, o imaginário

descobrirei os caminhos do Amor!