DOIS AMORES

                      Márcio Pedroso

Aos amores que se vem e se vão, marcado de sonhos e pesadelos,

expectador de nossos atos, do palco ao espetáculos,

expectativas ou ilusões, dos supostos amores de verdades.

Desse cenário ao mundo imaginável, dos sonhos palpitantes agregados aos imaginários,

 criamos e apalpamos esses sentimentos relevantes, se tornando a nossa realidade.

Lutei, venci muitas guerras, me curvei por outras, já senti o sabor desse chão,

 coração trancafiado, magoas que não se apagam, não foi em vão,

se perdi ou conquistei, vivi esse enigmático desse legado sem fronteiras.

Ilusões incontáveis, sentimentos contagiantes conquistados desses corações,

 um viver cercado de nostalgias e emoções, apalpar ou fincar esse sentimento,

ironia do destino, se beijamos e se amamos,

 por que vivemos os momentos desses loucos amores.

Paixões, sentimentos que perpetuam profundas marcas de saudades,

já viajamos nos braços das pessoas amadas, das rosas aos espinhos,

 já cultivamos desses jardins, suprir as razões de um coração,

marcas perpetuadas de um grande amor,

 fascínio dessa paixão, vou ao encontro de um novo coração.