O que é Radiestesia?


É a arte de sensibilizar com radiações. É um termo que provém do grego (radius = radiações) e do latim (aeshtesis = sensibilidade). Está mais do que cientificamente comprovado que todos os corpos emitem radiações na forma de onda (vibrações) que nos rodeiam o tempo todo e de forma contínua quer seja o corpo físico, ou o nosso cérebro e sistema nervoso. Essas impressões ficam registradas no nosso inconsciente. Quando entramos em sintonia com as ondas externas, o cérebro interpreta-as e manda a informação daí resultante para o inconsciente. Isso acontece na forma de ondas internas através da actividade neuromuscular, o que provoca a reação externa em forma de movimentos nos instrumentos radiestésicos.


Dessa forma, constatamos que os instrumentos radiestésicos funcionam como uma antena amplificadora do sinal emitido a partir do inconsciente que, como foi dito acima, encontra-se ligado às radiações/vibrações de todo
o Universo. As respostas obtidas através desses instrumentos são então interpretadas, podendo ser utilizadas para diagnósticos médicos, prospecção de jazidas, localização de veios de água, pessoas e objetos perdidos.
Essa pesquisa só é possível quando o operador entra em sintonia ou ressonância com os objetos ou anomalias pesquisadas e o seu sistema neuromuscular. O sistema neuromuscular do operador emite impulsos involuntários que provocam movimentos nos instrumentos radiestésicos. Assim, o objeto da pesquisa se torna o transmissor, o cérebro do operador o receptor e o instrumento radiestésico, uma antena amplificadora.


I
nstrumentos Radiestésicos


Forquilha ou Varinha

 
Usado principalmente para localizar a existência ou característica de objetos que estão sendo pesquisados. Seu maior emprego é na localização de veios d água e prospecção de jazidas. Pode ser de madeira ou aço e geralmente tem a forma de um Y.


Pêndulo Cromático


É um pêndulo que possui um cilindro oco de madeira, com dois cones nas suas extremidades. É empregado para nos sintonizar com as cores do espectro visível e a localização de campos de forma.


Aurameter


Instrumento de precisão utilizado em experiências científicas e na prospecção da energia e equilíbrio dos chakras.
Dual Rod (ver figura em anexo)
A expressão quer dizer “dupla varinha” e a sua finalidade principal é a caracterização de uma fonte energética. Uma vez caracterizada, será preciso interpretar se é de natureza positiva ou negativa. É geralmente utilizado na prospecção dos chakras.


Pêndulo


Não é um gráfico, mas antes um instrumento; trata-se de um peso ligado a um fio flexível, pouco importando o material com o qual é confeccionado. O essencial é que seja simétrico e uniforme. O pêndulo é um instrumento radiestésico que faz com que certas vibrações do Universo sejam percebidas pelo inconsciente do operador. Trata-se de um peso na ponta de um fio flexível e resistente. O seu formato deve ser sempre regular e simétrico e a forma do pêndulo e seu material não interferem na sua sensibilidade. Isso quer dizer que o peso pode ser cônico ou redondo, de bronze, madeira ou cristal, ou qualquer outro material. Existem pêndulos ocos, para que possam ser colocados testemunhos em seu interior. Uma aliança presa através de uma linha resistente de cerca de 20 cm pode ser empregada como pêndulo.
Como funciona?
É o inconsciente que recebe todos os sinais. No entanto, eles serão interpretados pelo consciente. O pêndulo é a expressão física das informações captadas pelo inconsciente. Em outras palavras, funciona como uma espécie de “antena amplificadora” das vibrações sobre as quais se realiza a prospecção. Porém, é preciso deixar claro que a qualidade da informação obtida pelo pêndulo depende inteiramente da neutralidade e receptividade do operador.
Para que serve?
Serve para “medir” campos de energia. Isso faz-se através de movimentos; conforme o movimento do pêndulo, é possível estabelecer respostas do tipo “sim-não”. Não existe um padrão definido de resposta. O pêndulo pode se movimentar verticalmente, horizontalmente e circularmente (no sentido horário e anti-horário). Um outro movimento é em diagonal, seja da direita para a esquerda como da esquerda para a direita. Como pode ser observado, os movimentos combinam-se em pares contrários.
Através de exercícios e perguntas para as quais o operador já sabe a resposta, ele determinará para cada par de movimentos qual é o “sim” e qual é o “não”. Geralmente, o “sim“ corresponde ao movimento vertical, circular no sentido horário e diagonal da esquerda para a direita. O “não” corresponde ao movimento horizontal, circular no sentido anti-horário e diagonal da direita para a esquerda. Toda vez que o pêndulo se mover no sentido do “não”, você se deparou com uma emissão de vibração negativa. Ela pode ser decorrente de material em decomposição, um veio de água ou mesmo, de uma corrente telúrica negativa no subsolo. Camas e locais onde se fazem refeições devem estar neutros ou positivos. Caso não possa mudar a disposição da mobília, use o Gráfico de Luxor (ver figura anexa). Cada gráfico cobre cerca de um metro quadrado. Em camas de solteiro, coloque dois gráficos uniformemente sob o colchão, voltados para cima, entre o estrado e o colchão. Use quatro gráficos para camas de casal. A bola preta do gráfico deve ficar voltada para a cabeceira. Sob a mesa, coloque apenas um gráfico, apontado para baixo. Uma outra maneira de neutralizar as energias nocivas é com o uso de cristais de quartzo branco.
Uma outra função do pêndulo, combinado com certos gráficos radiestésicos ou mapas cartográficos, é apontar direcções ou localizações. Nesse caso, pode indicar onde se encontram pessoas ou objetos perdidos, a localização de jazidas ou veios de água, ou ainda, a localização de energias de forma que interferem na qualidade da vibração do ambiente. Isso quer dizer, que o pêndulo pode apontar onde se encontram os focos de energia negativa que perturbam a boa vibração de uma casa, escritório ou estabelecimento comercial. Com o auxílio de gráficos ou cristais, realiza-se então a “cura” do ambiente, neutralizando a energia “doente”.


Primeiros exercícios
1. Preparação
Disponha de uma mesa. Qualquer aparelho eléctrico ou eletrónico deve ficar afastado dessa mesa em pelo menos 2 metros. Com o auxílio de bússola, determine o Norte Geográfico. É conveniente ressaltar que existe uma diferença entre o Norte Geográfico e aquele apontado pela bússola, denominado Norte Magnético. Se puder, com um lápis, risque a direcção do Norte Geográfico sobre a mesa. Preferencialmente, a mesa deve estar livre de quaisquer objectos, como toalhas, enfeites, etc. Lave bem as suas mãos, esfregando-as uma na outra. Acenda um incenso. Passe o pêndulo repetidamente sobre o incenso, para desimpregná-lo de qualquer vibração anterior. Com o polegar da mão esquerda, pressione ligeiramente o centro da palma da mão direita, respirando lenta e profundamente por cerca de três minutos, para activar o chakra da mão direita. Se você for canhoto, use o polegar da mão direita na mão esquerda. Pegue uma folha de tamanho A4, passando-a sobre o incenso. Coloque-a na mesa, no local onde pretende trabalhar. Trabalhe sempre de frente para o Norte Geográfico.


2. Ajustando o Pêndulo
O primeiro passo é encontrar uma posição no fio que se une ao pêndulo, onde este possa oscilar livremente. Isso quer dizer que o comprimento do fio, entre os seus dedos e a extremidade do pêndulo, poderá variar de operador para operador, de acordo com a sua sensibilidade. A média fica em torno de 17 cm. O passo seguinte é limpar totalmente a mente, deixando-a em branco. Quando alcançar este estado, mentalmente ou em voz baixa, faça uma pergunta objectiva para a qual saiba a resposta (deve ser sim ou não). Tendo apenas a pergunta em mente (e nunca uma resposta!), observe o movimento do pêndulo. Para isso, mantenha a extremidade do pêndulo afastada da folha em branco em cerca de 2 cm.. Esvazie a mente e faça uma pergunta cuja resposta seja a inversa da anterior e observe o movimento do pêndulo. Os movimentos devem ser opostos entre si e você estabelecerá o seu “sim” e “não”. Repita o exercício, anotando os resultados, até tomar confiar em suas leituras. Você pode testar a sua influência sobre as leituras do pêndulo. Com o pêndulo parado, pense “sim” e observe o que acontece. Esvazie a mente até o pêndulo parar completamente de se movimentar. Pense “não” e observe o resultado. Com esse teste, você perceberá a importância de esvaziar a mente e manter a neutralidade diante da pergunta que está sendo feita.